Comemorando os hoteleiros da comunidade LGBTQ


O turismo LGBTQ pode parecer um fenômeno novo, mas está longe disso. Na verdade, pode-se argumentar que Hanns Ebensten, também conhecido como o pai das viagens gays, deu o pontapé inicial com a He Travel e seu primeiro passeio exclusivo para gays pelo Grand Canyon em 1973.

Dado que junho marca o Mês do Orgulho—um momento para celebrar as conquistas LGBTQ, mas também para criar consciência sobre as questões e lutas que persistem nas sociedades de todo o mundo— nos sentimos compelidos a entrar em contato com hoteleiros da comunidade LGBTQ para ouvir suas percepções sobre esse segmento da indústria que cresceu e floresceu nos últimos 50 anos.

Você conhecerá Pedro e Diegoos proprietários de Il Segreto di Pietrafitta. A visão deles deu nova vida às ruínas de um 16ºquinta do século entre as colinas onduladas da Toscana. Aos olhos deles, porém, não se tornou um hotel. Quando os hóspedes fizerem check-in, saberão que chegaram à casa de um amigo.

Também apresentaremos a você Fabrice e Fábio. Revigorados pelo desejo de ter um negócio próprio, eles deixaram para trás a agitação de Paris pelos céus ensolarados da Côte d’Azur. A sua ideia transformou o interior de um edifício de 1900 na joia neo-industrial que Hotel Aromè Nice é hoje.

E você terá a chance de conhecer Rogérioo gerente geral da Hotel Deutsche Eiche—uma instituição no coração da cena artística e gay de longa data de Munique. Suas raízes como hotel datam de 1928, mas foi em 1993 que os novos proprietários – Dietmar e Sepp – levaram o hotel a novos patamares com seu toque Midas.


Solicite hoje mesmo o perfil trivago da sua propriedade.

Saber mais


Pedro e Diego – O fascínio por diferentes culturas, a predisposição para o relacionamento com hóspedes e o amor pela Itália nos inspiraram a iniciar esta experiência como hoteleiros. Colocamos nosso coração e alma em nosso trabalho todos os dias, e nossos hóspedes percebem isso assim que passam pelas portas de nossa fazenda. Nosso objetivo é ajudá-los a relaxar e sonhar acordados, garantindo que a memória de suas férias na Toscana permaneça em seus corações por toda a vida.

Fabrice e Fabio – Para nós é o prazer das relações humanas. Antes de trabalharmos na indústria hoteleira, ambos tivemos longas carreiras nas quais lidamos com pessoas de vários níveis, com origens diversas e um amplo espectro de nacionalidades (Fabrice em recursos humanos e Fabio em turismo receptivo). Graças a esses anos nas nossas antigas profissões, somos capazes de integrar a nossa experiência em todas as facetas da gestão do nosso hotel – desde as leis até ao fornecimento e gestão de pessoal até à compreensão e satisfação das necessidades dos nossos hóspedes.

Roger – Já trabalhei no setor bancário, mas achei bastante chato devido à intangibilidade dos serviços prestados pelo setor financeiro. Eu estava em busca de uma área onde pudesse combinar meus conhecimentos de economia, finanças e marketing em um cenário totalmente novo e real. Sempre achei a hospitalidade uma indústria fascinante e fui um viajante ávido durante toda a minha vida., também. Assim, mudei das finanças puras para a hotelaria há pouco mais de uma década, apesar dos níveis salariais geralmente mais baixos.

Também gosto muito das oportunidades diárias de me comunicar com as pessoas e de usar uma combinação de QI e QE para resolver problemas.

Pedro e Diego de Il Segreto di Pietrafitta

Pedro e Diego – Vamos primeiro falar das características essenciais que um bom hoteleiro deve ter: empatia, paciência e flexibilidade mental. Cada hóspede é diferente e carrega consigo um mundo que os torna quem são. Cabe a nós, como hoteleiros, decifrar os desejos dos nossos hóspedes, cumprindo-os e garantindo que a sua estadia seja inesquecível e adequada às suas necessidades. Para a comunidade LGBTQ de hoteleiros, o principal desafio é ser sempre você mesmo, mesmo durante o trabalho. Como casal, trabalhamos de mãos dadas todos os dias, e qualquer hóspede que entra pelas nossas portas sabe disso – e com razão. Como todas as outras pessoas no mundo, devemos sempre ser nós mesmos.

Fabrice e Fabio – Diríamos que é a necessidade de prestar sempre um atendimento perfeito, bem como ressalte o respeito mútuo entre todos os seus tipos de hóspedes sem falhar.

Roger – O equilíbrio entre vida profissional e pessoal parece ser uma questão importante para alguns que ocupam cargos de gestão sénior – sem feriados, sem fins de semana e raramente com dia de folga. Meu principal desafio atual é prosseguir com meu doutorado, apesar de uma carga horária muito pesada. Quando você trabalha em uma empresa familiar ou em um pequeno hotel, o trabalho também exige força física e resistência; você não fica trancado em um escritório o dia todo. Se estiver, provavelmente você está fazendo algo errado porque você tem que estar “em campo” para manter contato com sua clientela e seus funcionários. Esta não é uma indústria para aqueles que preferem sentar-se nas suas torres de marfim.

Pedro e Diego – Os viajantes de hoje são bem informados e sabem o que querem, muitas vezes planejando suas férias com meses ou anos de antecedência. É por isso Viajantes LGBTQ escolhem cuidadosamente onde ficar, certificando-se de que o hotel que reservam seja um lugar onde se sintam bem, sejam eles mesmos e relaxem com o parceiro ou a família, sem correr o risco de acabar em situações desconfortáveis ​​ou – pior ainda – hostis. O objetivo de todo viajante é relaxar e passar momentos agradáveis ​​durante as férias. A condição indispensável para desfrutar de uma estadia tranquila é estar numa competição pacífica e sem preconceitos de qualquer espécie. É uma situação que deveria ser dada como certa hoje em dia, mas infelizmente não é o caso com frequência.

Fabrice e Fabio – Vemos que os passeios de degustação de comidas e vinhos ainda são um pouco turísticos demais para nossos hóspedes. No entanto, quando nos perguntam, antes ou durante a sua estadia, como podem experimentar a excelente cozinha francesa enquanto visitam Nice, forneceremos a eles nossas recomendações dos restaurantes que frequentamos. Cada quarto também possui um excelente livreto de Escufigno, que lista os melhores restaurantes da cidade. Descobrimos que os hóspedes valorizam este tipo de informação que lhes podemos fornecer.

Roger – Existem algumas tendências que notei. Um é que Os viajantes LGBTQ não desejam ficar tão isolados da maioria da sociedade como estavam no passado. A outra é que uma parte da cena gay migrou para a Internet, com muitos locais relatando uma diminuição no número de bares e discotecas que geralmente atendem a uma clientela gay. No entanto, ainda há uma oportunidade para alguns destinos altamente especializados, por exemplo, as praias europeias populares entre os viajantes gays ou mesmo Berlim, que possam atingir esses viajantes, atraindo-os com ofertas baseadas em eventos e opções de entretenimento.

Fabrice e Fabio do Arome Hotel Nice

Pedro e Diego – Nosso conselho é simples: seja você mesmo. Ser hoteleiro significa amar a hospitalidade e ser curioso sobre o mundo e as outras pessoas. Todo hoteleiro deve abrir as portas de sua propriedade e tratar todos os hóspedes da mesma forma, não importa quem sejam. Se a propriedade for propriedade de um gay, nosso conselho é, novamente, ser sempre você mesmo no trabalho e também nos canais digitais, como as redes sociais. A melhor estratégia para promover o seu imóvel é ser autêntico; sempre vale a pena não se esconder. E quem semeia amor, colhe amor.

Fabrice e Fábio – Seja o mais natural e aberto possível. Além do mais, evite criar estereótipos negativos que ofendam seus convidados LGBTQ.

Rogério – Ser amigo do LGBTQ é muito mais do que ter um adesivo de arco-íris na porta de entrada ou uma bandeira de arco-íris pendurada na frente. É preciso entender e viver, por assim dizer, esse segmento de mercado e seus diversos elementos.

Tenho visto vários esforços desesperados de cadeias de hotéis internacionais que tentaram parecer gay-friendly e abertos à diversidade. Não poderia ter sido mais óbvio que eles estavam atrás apenas dos “dólares rosa”, sem realmente defenderem a mensagem e treinarem sua equipe adequadamente. Assim que a pessoa na recepção, por exemplo num país menos tolerante, faz com que você se sinta desconfortável por chegar com o seu parceiro do mesmo sexo, todos esses milhões de dólares em despesas de marketing vão pelo ralo.


Solicite hoje mesmo o perfil trivago da sua propriedade.

Saber mais


Pedro e Diego – Isso vai parecer repetitivo, mas nosso segredo é realmente sermos nós mesmos. Nos nossos canais de marketing (site, plataformas de reservas, redes sociais), gostamos sempre de nos apresentar de forma transparente e autêntica. Ao fazer isso, atraímos naturalmente hóspedes com mentalidades semelhantes às nossas.

Na hotelaria, especialmente num hotel boutique como o nosso, acreditamos que também é importante que todos saibam quem são os anfitriões, porque abrir as portas do seu hotel é como abrir as portas da sua casa. Cada canto da nossa propriedade nos reflete, além de compartilhar nossa essência e a abertura que gostamos de mostrar aos hóspedes. É a melhor estratégia de marketing possível para nós.

Fabrice e Fábio – A personalização ressoa bem com nossos hóspedese por isso é importante criar isso desde o momento da reserva até o momento do check-out. Por exemplo, assim que recebemos a sua reserva, enviamos por e-mail os detalhes da sua reserva, bem como solicitamos a hora de chegada e meio de transporte. De acordo com a sua resposta, iremos fornecer-lhes a forma mais fácil e rápida de chegar ao nosso hotel. Os dias de chegada e partida sempre criam estresse para os viajantes, e é por isso que fazemos o nosso melhor para ajudá-los a evitar situações desagradáveis ​​– é isso que pretendemos.

Assim que os nossos hóspedes chegam, damos-lhes as boas-vindas personalizadas que os farão sentir-se em casa. E estamos todos muito dispostos a informá-los sobre as joias secretas da cidade que o turista médio desconhece. Dessa forma, os hóspedes podem realmente vivenciar Nice como um morador local.

Rogério – É importante fale a língua deles e veja o que os entusiasma. As regras são as mesmas de qualquer outro esforço de segmentação por segmento: conheça seus clientes e entenda a diversidade dentro da comunidade. Mas se você falar a língua deles em um tom gay artificial, seus convidados LGBTQ irão denunciá-lo.

Sepp, Roger e Dietmar do Hotel Deutsche Eiche

Pedro e Diego – Achamos que O turismo LGBTQ tem enorme potencial de crescimento, especialmente em tempos como estes, porque viajar é uma das atividades que todos nós mais sentimos falta durante o confinamento. Viajar deve ser um prazer, por isso a escolha criteriosa do alojamento é parte essencial para umas férias de sucesso. Os viajantes LGBTQ, mais do que qualquer outro viajante, devem sentir-se bem-vindos e mimados nas acomodações que escolhem.

Aproveitando as ferramentas que a era digital nos deu, Os viajantes LGBTQ precisam se sentir seguros de que estão selecionando uma propriedade que os aceita como eles são e, no final, torna as suas férias inesquecíveis. Todo viajante deve ser feliz, despreocupado e, acima de tudo, livre para ser você mesmo.

Fabrice e Fabio – Os hoteleiros precisam ter em mente que há um número cada vez maior de famílias LGBTQ do que nunca. Portanto, esteja preparado para receber esses viajantes também de braços abertos e fazer com que eles se sintam confortáveis ​​da melhor maneira possível em sua propriedade.

Roger – O resultado do aumento dos rendimentos e da melhoria da riqueza em muitas regiões do mundo, como no Sul e Leste da Ásia, na Europa de Leste e nos países árabes ricos em petróleo, tem criado um fluxo constante de novos turistas LGBTQ. Na verdade, nossa experiência mostra que países particularmente homofóbicos são os remetentes de alguns dos turistas LGBTQ mais dedicados, embora não necessariamente os mais abastados, que anseiam pelas liberdades que desfrutamos no Ocidente.

Estou otimista quanto ao futuro das viagens LGBTQ, mas ainda estou preocupado com uma nova onda de fanáticos com motivação política e religiosa em muitos países que estão tentando reprimir ou restringir os direitos humanos básicos, além de tentarem balançar o pêndulo à força em uma direção fascista. Temos que antecipar conscientemente esses movimentos e pressionar pelos direitos dos homossexuais. A atitude aberta e mais descontraída de tantas pessoas da geração mais jovem é também motivo de esperança. Espero que a libertação gay, inclusive para um número crescente de viajantes gays no mundo em desenvolvimento, continue e beneficie os fornecedores do setor de hospitalidade LGBTQ.

Imagem apresentada por José Pablo Garcia no Unsplash.

Share this post

About the author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *